silval_-_lenine_martins

Silval Barbosa está estudando teologia e não descarta virar pastor

Condenado a mais de 13 anos de prisão por liderar uma organização criminosa que desviou mais de R$ 2,5 milhões dos cofres públicos por meio da concessão fraudulenta de incentivos fiscais, o ex-governador Silval Barbosa, que cumpre prisão domiciliar, um dos benefícios de seu acordo de delação premiada, disse estar cursando faculdade de teologia à distância e não descartou virar pastor.

“Fico em meu apartamento, a rotina é ler, estudo, fazendo curso, olhando processo e ajudando a esposa. Leio todo tipo de livro e estou fazendo um curso de bacharel em teologia na Universidade da Bíblia em São Paulo”, disse o ex-governador ao sair de seu depoimento na Controladoria Geral do Estado (CGE) na tarde desta terça-feira (16).

Questionado se tem a pretensão de se tornar pastor após a conclusão do curso que tem mais de duas mil horas de duração, Silval disse estar estudando para o autoconhecimento e não descartou a opção.

“Eu estou fazendo um curso para autoconhecimento, mas se Deus assim quiser… O curso é de duas mil e oitocentas horas. É muito bacana e, aconselho a fazerem”, afirmou.

O ex-peemedebista que é formado em direito também manifestou o desejo de tirar sua carteira na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), mas acredita que deve haver restrições por conta dos processos que respondem na justiça.

“Eu fiz meu curso de direito, mas na época quem tinha algum cargo ficava impedido de advogar. Poderia ter feito na época, agora não sei, deve haver restrição por conta do processo”, avaliou.

Silval Barbosa ficou detido por um ano e oito meses cerca de um ano após deixar o governo do estado por fraudes de incentivos fiscais a empresários por meio do Programa de Desenvolvimento Industrial e Comercial de Mato Grosso (Prodeic).

Ele também responde outros seis processos criminais por corrupção em seu governo. Em junho do ano passado, após o acordo de delação premiada, o ex-governador deixou o Centro de Custódia de Cuiabá (CCC) e cumpre desde então a prisão domiciliar em seu apartamento.

Por: Carlos Gustavo Dorileo / Olhar Direto.

Deixe seu Comentario

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*